Vinhos Italianos

Vinhos Italianos

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Em clima natalino


O Blog L'ITALIA IN UN BICCHIERE, presenteia os seus seguidores à meia noite do dia 25 de dezembro, com o sorteio de um vinho. Sabe aquela garaffa da minha lista de preferidos.

E' apenas uma pequena lembrancinha direto da Italia para voce.

Para partecipar seja um dos seguidores do Blog em: www.italiain1bicchiere.blogspot.com , ou seja um dos nossos follower no Twitter: http://twitter.com/vinhoitaliano , ou no NetworkedBlog do Facebook.

Obs: Se voce segue o Blog nos 3 endereços, voce tem mais chance de ganhar. Partecipe!

Como de diz na Italia, "In Bocca al Lupo", Boa Sorte e muitos brindes!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

O menor barril do mundo

Para todos os apaixonados pelo mundo do vinho, ai vai uma idéia para o presente de Natal.

Em homenagem a Gianni Masciarelli e sua arte de vinho.
Foi produzida inteiramente à mao por Tom Westerich uma caneta em ebonite, ouro 14 quilates e seis varas de barricas de carvalho frances da adega original, onde foi envelhecido o vinho do produtor da regiao de Abruzzo.

E' uma ediçao limitada, e custa  € 798 euros.

Voce pode comprar diretamente na empresa Masciarelli, quem sabe durante uma degustaçao dos seus vinhos. http://www.masciarelli.it/

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Salada de macarrão com mussarela e berinjela

Em apenas 20 minutos voce prepara essa receita, è facil facil.

Ingredientes para 4 pessoas:

320 g de macarao penne
250 g de mussarela
1 berinjela
10 tomates cereja
manjericão
azeite extra-virgem
sal, pimenta

Preparo:

  1. Lave a berinjela, seque e corte em cubos.
  2. Coloque uma panela no fogão com o óleo e frite a berinjela em cubos. Adicione o sal. Quando estiver cozinhado, coloque em uma tigela.
  3. Corte os tomates em fatias e regue com azeite, uma pitada de sal, pimenta e manjericão.
  4. Ferva o macarrão em água salgada, retire o macarrao do fogo quando nao è molto cozinhado, como se diz na Italia (al dente), escorra e coloque o macarrao dentro de uma panela com agua salgada e gelo, depois escorra novamente.
  5. Tempere a massa com um pouco de azeite e adicione o tomate e beringela.
  6. Termine com mussarela cortada em cubos.
Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Esiste conflito de interesse no mundo do vinho?

Serà que o nosso querido vinho, do qual escrevemos com tanta paixão é estranho ao conflito de interesse?


Quando o assunto é conflito de interesse, da política à economia, passando pelo Judiciário, entre outros, essa palavra faz parte do cotidiano, existem alguns setores na Itália e no exterior que nao conseguem evitar o uso pessoal de seus cargos. Incluindo o vinho.

Sabemos que sao muitos os serviços de avaliação de vinhos presentes no mercado.
Mas esiste uma organização não-partidária, como o Sec em matéria de finanças, com o objetivo de evitar conflito de interesse pontencial?

O que sabemos, è que esiste um grande número de serviços de classificação de vinhos, financiados por todos que compram aquela tao prestigiosa garaffa de vinho.

Entre os principais estar a The Wine Advocate de Robert Parker, o The Burghound de Allen Meadows e a The Wine Spectator Magazine. Sao esses os chamados críticos de vinhos, e o mais famosos é Robert Parker, o qual anualmente visita varias cantinas de produtores no mundo, degustando seus vinhos e dando uma sua avaliaçao pessoal.

Mas é certo que a voz de um único critico influencie o nível e acima de tudo, o preço de uma etiqueta, ou seja, de uma garaffa de vinho?

Atè porque o Sr. Parker pode chegar a degustar até mil vinhos por dia, e sendo assim podemos nos perguntar: temos a certeza de que a capacidade de percepção não muda?

Ainda è atual esse metodo de avaliaçao? Especialmente na era da Internet, redes sociais e blogs relacionados ao vinho?
 
Voce sabia que o influente Wall Street Journal criticou duramente a avaliaçao de Parker e o seu newletter The Wine Advocate, depois que descobriu que uma vinícola australiana, a Wine Australia, financiou com 25 mil dólares a viagem para a Austrália no colaborador de Parker Jay Miller.
O fenômeno não é isolado, o Wall Street, tambèm mostra que outro colaborador de Parker, chamado Mark Squires, teria ido a Portugal, Grécia e Israel sempre com viagens pagas por agências governamentais ou empresas vitivinicolas.
 
Voce pode ler a materia neste link: http://online.wsj.com/article/SB124330183074253149.html
 
Serò que a difusao de enofilos, blog e criticos de vinhos na internet, nao esteja abalando alguns metodos de pontuaçoes de vinhos, jà fonte de tantas duvidas no passado?

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com
Foto: vini e sapori
Fonte: Rating: è bufera anche sul vino, de Lorenzo Simoncelli.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Barbera del Monferrato Superiore

Este vinho é muito consumido no cotidiano do piemontês. Como na Emilia-Romagna voce encontra uma garaffa de Lambrusco durante as refeiçoes, no Piemonte nao falta na mesa, um vinho Barbera.

Hoje a barbera ocupa cerca de 50% do panorama vitivinicolo do Piemonte, durante um certo periodo esse vinho foi um pouco esquecido na Italia, e atè mesmo desvalorizado, mas o reconhecimento de DOCG Barbera del Monferrao Superiore, marcou o rinascimento deste vinho entre os maiores protagonistas nacionais.

A área principal de cultivo da uva Barbera, documentado pela primeira vez no Piemonte, em 1798, é o Monferrato.

A disciplinar impõem que o cultivo da vinha seja feito em terrenos com argila, calcário e em colina. A altitudine não deve exceder 650 m acima do nível do mar, e os novos vinhedos plantados nao devem ter exposição ao norte.

A área de produção inclui o território de 214 municípios, 98 dos quais estão perfeitamente divididos entre o Alto e o Baixo Monferrato, na província de Alessandria, e 116 naquela de Asti, ou seja, è produzido em quase todos os municípios, exceto as de Cellarengo e Villanova d'Asti.

Uva: Barbera, pode ser utilizado tambèm a Freisa e / ou Grignolino e /o Dolcetto, no maximo de 15%.

Gradaçao alcolica minima: 13%

Envelhecimento: período mínimo de 14 meses, pelo menos, 6 em barris de carvalho de qualquer tamanho.

Melhor momento para consumir: em média 3-5 anos.

Para saber o significado de Superiore visite o link: classificaçao dos vinhos italianos

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

terça-feira, 23 de novembro de 2010

O mais famoso Espumante doce italiano

Asti Spumante é certamente o mais famoso espumante doce italiano, unico no seu genero, derivado da uma técnica inventada e aperfeiçoada no Piemonte, que permite ao vinho de conservar o aroma característico de uva fresca.

História, tradição, dedicação, talento empreendedor,  procuram reforçar as características únicas deste vinho.

A área de produção deste vinho inclui 52 munincipios, em uma area jà delineada em 1931, ou seja, 29 municípios da província de Asti, 15 na provincia de Cuneo e 9 na de Alessandria.

Este vinho è produzido esclusivamente com uvas Moscato Bianco,  o qual encontra nesta área o lugar ideal para se propagar e para dar os melhores frutos.

A Denominação de Origem Controlada e Garantida (DOCG) é reconhecido a dois vinhos:

  1. Asti ou Asti Spumante
  2. Moscato d'Asti: vinho não-espumante branco.
Produçao do Asti Spumante:

As uvas moscato bianco são prensadas, e o mosto obtido deve resultar limpo, sem partículas sólidas em suspensão, e isso vem feito por meio de clarificação estática, centrifugação e / ou filtração. Depois disso o mosto é refrigerado e mantido a 0 ° C graus, para impedir o início da fermentação indesejável.

Ao longo deste período, que pode ser de 12 a 15 meses, o mosto nao deve ser fermentado, e por isso deve ser sistematicamente verificados e, caso se note uma fermentação, esse vem novamente rifiltrato e refrigerado para separar e inativar leveduras indesejáveis no mosto.
Finalmente, o mosto é fermentado segundo os requisitos previstos no disciplinar de produçao.

A tecnologia para a preparação do Asti Spumante inclui:

  • aquecimento do mosto de 0 ° a 18 ° C, 
  • adição de leveduras selecionadas e
  • condução da fermentação a temperatura controlada entre 18 ° a 20 ° C em um recipiente que tem uma pressão interna de 9 bar (autoclave).
Quando o mosto em fermentação chega a 5 graus de álcool, se fecha as válvulas de escape dos gases de fermentação (dióxido de carbono). O produto deve chegar a 7 graus de álcool como previsto no disciplinar de produçao.
O bloquei da fermentação é realizada por refrigeração. - 3 -4 ° C, filtração e engarrafamento do produto  esterilizado.  O teor alcolico final do vinho è entre 7% e 9,5%.

O Asti Spumante e Moscato d'Asti devem ser consumidos jovens (possivelmente entre o ano seguinte a colheita) assim voce poderà apreciar o aroma do Moscato Bianco na sua completa intensidade tipica.

Temperatura de serviço: Deve ser servido frio, 6 ° e 8 ° C.

Excelente para ser bebido com sobremesas. E combina perfeitamente com bolo de avelã.


O vinho Asti Spumanti recebeu o reconhecimento DOCG (Denominaçao de Origem controlada e Garantida) em 1993.

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

terça-feira, 16 de novembro de 2010

O "rei dos vinhos, o vinho dos reis"

Barolo, sò o nome deste vinho inspira um certo respeito. Nao è por acaso que è considerado o rei dos vinhos.

O Barolo é certamente um dos vinhos que representa na melhor maneira o patrimonio enologico italiano no mundo, verdadeiro orgulho para todos aqueles que, durante gerações, estão envolvidos na produçao de questo vinho, atingindo níveis de excelência absoluta.

Este magnifico vinho tinto è produzido no Piemonte, e ha come centro a cidade de Barolo, incluindo outras cidades como: Castiglione e Faletto Serralunga d'Alba e parte da Cherasco, Diano d'Alba, Grinzane Cavour, La Morra, Monforte d'Alba, Novello, Roddi e Verduno, na província de Cuneo .

Para a produçao desse vinho vem utilizadas uva Nebbiolo ao 100%: a nebbiolo é uma variedade de uva, muito ligada a esta terra, e isso porque essa uva nao dar resultados positivos fora do Piemonte e Lombardia.

Este vinho deve ter um teor alcoólico de no minimo: 13%

Deve ser envelhecido por um periodo minimo de 38 meses

Melhor epoca para ser consumido: em média 10-20 anos, mas pode ser um periodo mais longo.

Atualmente muitos produtores adotam novos princípios de produção e de envelhecimento e, em alguns casos, atè mesmo uma "filosofia" diferente na produçao deste vinho.

  1. Quem adota o principio da "tradição" prefere um vinho mais robusto e tânico, de longo envelhecimento em barris de carvalho de grande porte. Utilizando o modo tradicional o vinho é produzido com um processo de longa maceração, ou seja, as cascas das Nebbiolo ficam em contato com o mosto na fermentação durante 20 dias ou mais - isto é feito para extrair bastante tanino para o vinho. O resultado é um vinho muito forte, tânico e robusto, que precisa de mais de dez anos para se desenvolver e encontrar seu equilíbrio;
  2. Outros produtores estão se concentrando na "inovação", usando pequenos barris, com o objetivo de produzir um vinho um pouco mais suave, com um tempo sensivelmente mais curto. O período de contato das cascas da uva durante a fermentação é menor, geralmente de uma semana, e o tempo de envelhecimento em barris de carvalho também é menor. O vinho fica pronto para beber mais cedo, mas não tem a longevidade do tradicional.

Hoje podemos encontrar doi tipo de Barolo à venda, um produzido com o metodo tradicional e outro com o metodo moderno.

O Barolo è um vinho DOCG (Denominaçao de Origem Controlada e Garantida) desde 1980.

Outros tipos de Barolo:

  • Riserva: o Barolo pode ser considerado riserva, quando o seu envelhecimento, é de pelo menos, 62 meses.
  • Barolo Chinato, esse vinho é preparado utilizando como vinho base o Barolo.
Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com
 
Foto: site de regioni italiane.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Alto Adige: pequena regiao, mas com grandes vinhos.

Alto Adige é uma pequena região da Italia inteiramente montanhosa, 15% do territorio sao Alpes e a terra é improdutiva, 70% é ocupado por florestas, e apenas os restantes 15% são cultiváveis, com resultados de excelente qualidade. Pequena região, mas com grandes vinhos. Apenas 5.366 hectares cultivados, principalmente em media e alta colina..
O terreno da regiao, rico de calcário proporciona vinhos com baixo teor de tanino, enquanto a temperatura da regiao doa vinhos com perfil aromático, elegância e intensidade fora do comum.

As variedades mais cultivadas são os Schiava com seus sinónimos e variedades, Pinot Blanc, Chardonnay, Pinot Neror, o Langrein, Pinot Grigio, Gewürztraminer e Kerner.

Langrein é certamente um dos mais antigos vinhedos do Alto Adige, mas a bibliografia desse vinhedo é bastante lacunosa, e a primeira menção é do ano1400.

Os vinhos tintos feitos a partir da uva Schiava, geralmente não são particularmente conhecido além das fronteiras regionais, o que dificilmente pode ser dito de Gewürztraminer, um nativo de Termeno.

Tramin o Termeno, pode facilmente se indentificar como a patria dessas uvas tão valiosa, e voce pode econtra-la com varios sinônimos, tais como Traminer Rose, Tramin aromáticos e, na Alsácia e Giuria, savagnin. O Traminer é uma casta de uva aromática que é altamente resistente ao frio do inverno, cheio de aromas intensos e elegantes que são totalmente transmitido ao vinho.

Literalmente o nome Gewurztraminer significa Traminer speziato (picante), então, quer dizer algo mais do que aromático, o nome realça a qualidade olfativa com grande exuberância, a qual fica ainda mais pronunciada quando o vinho vem da colheita tardia.
Por causa dos grandes aromas dos seus vinhos, o Alto Adige è comparado a Alsácia, com a qual ha em comum vários vinhedos, como Riesling, Pinot Grigio, Pinot Blanc, Sylvaner, Muscat, Pinot Noir. É importante ressaltar que a produção na Alsacia é quase exclusivamente de vinhos brancos, enquanto no Alto Adige, 54% do vinho produzido é tinto.
Atualmente a viticultura intensiva ocupa quase exclusivamente as colinas do Valle dell'Adige entre Merano e Salorno, a Valle dell'Isarco entre Bolzano e Bressanone, e parte da val Venosta.

A área classica de cultivo de langrein coincide com a cidade de Bolzano, em particular, Gries, cidades com solo quente e permeável, adequado a viticultura e garantindo a produção de vinhos de qualidade.

Eu adoro os vinhos do Alto Adige, em particular os de Terlano.


Gastronomia



A região é famosa pela criação de gado, com maior produção de carne e leite, e de frutas, como maçãs.

Tambèm tem muita produção de batata, sempre presente na culinária local.
Sem falar, no famoso Speck, feito a partir da coxa do porco, que são desossada e submetida a secagem com sal, alho, zimbro, louro, pimenta, ervas e fumaça, utilizando madeira e arbustos de zimbro doce fresco.

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

O TRENTINO E OS SEUS FAMOSOS VINHOS

Trentino é uma região montanhosa da Italia. E quando o assunto è vinho, não é quantidade a característica da produção, mas sim a qualidade e o prestigio. Nao è um caso, que mais de dois terços dos vinhos sao DOC (Denominação de Origem Controlada), um percentual  muito superior à média nacional.


O seu cultivo estende-se sobre 8.201 ha. Atualmente a variedade de uvas tintas mais cultivadas na região é o schiava, com suas muitas variedades, enquanto mais de 50% sao uvas brancas, como o chardonnay, tambèm utilizado para a produção do Espumante Trento.
Existem muitos fatores que contribuem a qualidade do vinho trentino, tais como o terroir, a localização das vinhas, as variedades das uvas, o trabalho e os cuidados do viticultor e do produtor, mas absolutamente determinante é o clima da regiao, que no Trentino apresenta condições muito favorável para o cultivo das vinhas. Nesta região, são notáveis mudanças térmicas diária e durante as estaçoes do ano, e isso, no periodo da colheita, permite o enriquecimento dos aromas das uvas. Portanto, a fama dos vinhos do Trentino é certamente merecida.

Aqui a vinha é cultivada com o sistema tradicional pérgola trentina, a qual costitue um património da salvaguardar e um componente essencial da paisagem. No Trentrino desde os anos '50 è presente um eficiente Cadastro Vinicolo, permintindo a regiao um contato proximo com a realidade produtiva, e isso é uma iniciativa quase unica a nível nacional.

O coraçao da viticultura trentina é o valle dell'Adige, que começa em Alderano, praticamente de Trento, atè  Roverè della Luna. Ao longo das colinas plantadas com vinha voce chega até o espetacular Campo Rotaliano, casa da famosa uva Teroldego. A área de produção é limitada a apenas três municípios, Gruno San Michelle all'Adige, Mezzocorona e Mezzolombardo, e o vinho que aqui se obtem, graças às suas características organolépticas, é chamado de "príncipe" do Trentino.

Saiba mais: em 1874 nasce aqui a primeira universidade de agricultura e a primeira estação experimental de vinho da região, sob o nome de Instituto de San Michele. Em poucas décadas, tornou-se uma das universidades mais famosas em viticultura.

Gastronomia

Uma especialidades da cozinha típica trentina é a polenta. Nos séculos passados, quando a pobreza foi generalizada, este era o prato principal ou o único.


Outro prato da regiao è o canerdeli , grandes bolas de pao amanhecido misturado com leite, ovos, bacon, queijo e salsinha, que em seguida vem cozido em diferentes tipos de sopas.









Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Versoaln, o vinhedo antigo da Europa

Na pequena cidade de Prissiano no Sudtirol na Italia, voce pode admirar o maior e mais antigo vinhedo da Europa e talvez do mundo. Segundo estudos científicos realizados pelo Dr. Martin Worbes -responsavel do International Tree Ring Laboratory di Geottingen na Alemanha - este vinhedo é o mais antigo da Europa e o maior do mundo.

Versoaln, o mais antigo vinhedo da Europa

A vinha, pertencente a nativa variedade Versoaln, estende-se formando uma pergola de 350 metros quadrados e produz um vinho branco que é engarrafado pelo dono do Castelo Katzenzunger, o qual produz ao ano apenas 500 garrafas, todas numeradas e certificadas que você pode comprar no local.

A lenda diz que o vinhedo ha em cerca de 600 anos, mas estudos têm estabelecido uma idade aproximada de 350 anos.

O vinho branco produzido com o Versoaln é descrito como o néctar dos deuses, de cor verso o verde, frutado e de delicada estrutura. Os habitantes locais, ao contrario, lhe define um vinho muito seco com uma forte acidez. Para ver de que lado vou ficar, terei que degustar esse nectar dos deuses, para depois dar minha opiniao.


Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

LOMBARDIA

A Lombardia é uma grande e importante região vitivinícola italiana.

O territorio é ocupado por 70% de vinhedos de uvas tintas, e 30% de uvas brancas.

As principais áreas vitivinicolas são: Valtellina, l'Oltrepò Pavese, Franciacorta, Bergamo, as colinas de Riva del Garda  e do Mantovano.

A Valtellina é um oásis vitivinícolo importante. Nesta vale, as vinha se encontram em encostas íngremes na montanha. Cada vinhedo, agarrando-se as rochas é mantida por muros de pedra que vai subindo, chegando até a mil metros de altura. Mas é justamente neste trecho, onde é difícil cultivar as uvas, que se obtem os vinhos de alta qualidade da Valtellina. A uva mais importante na area è o Nebbiolo (aqui chamado Chiavennasca), aqui o Nebbiolo  consegue dar otimos resultados, em uma area fora do Piemonte e da Valle d'Aosta.

O Oltrepò Pavese ha uma capacidade produtiva extraordinária, e mais de 70% do vinho Lombardo vem dessa área, com uma grande variedade de vinhos, que vai da vinhos tintos, brancos, moscatos, espumantes, vinhos doces, e uma qualificada produção Método Clássico. A fim de promover a imagem do Espumante Oltrepò Pavese, em 1984 foi fundado um Associação de produtores de espumantes método clássico.

A área de Valcalepio produz um vinho raro, o Moscato di Scanzo Scanzo DOCG, um vinho tinto da sobremesa. E' um vinho doce e estruturado, e era jà apreciado pelos Visconti e os Sforza, em Milão.

Franciacorta é uma maravilhosa area vitivinicola, distribuídos por cerca de 900 hectares de colinas, uma área que dar espumantes de qualidades e elegância incríveis. O interessante è que a 30 anos atrás, a terra de Franciacorta era uma area de vinhos tintos questionáveis, mas produtores sérios e motivados, se impenharam e continuam trabalhando para melhorar os seus magnificos Espumantes Franciacorta.

Riviera del Garda e as Colinas Moreniches Mantovane são as maiores regiões vitívinicolas da região da Lombardia, e inclui seis DOC.

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Voce sabe qual é o espumante que se bebe e se brinda em Dubai?

A Dubai se brinda com "Isabella Ice" um espumante sem alcool do Veneto elaborado a partir da uva Glera. O espumante foi projetado, patenteado e fabricado por uma empresa agrícola da esquerda Piave.
O novo produto, de fato, encontrou as portas aberta nos mercados ricos dos Emirados Árabes Unidos.
Esta nova bebida foi apresentada no mercado e atraiu a atenção não só de figuras importantes no campo da economia e da política, mas também figuras do setor da cultura, do esporte, e da moda. A bebida também vai contribuir para a campanha contra o álcool em Dubai e nos Emirados Árabes Unidos.
O Lançamento desse produto será também um contributo para "todo o mundo islâmico ".

A degustaçao foi no "Golf  Dubai Creek & Yacht Club, partecipou da degustaçao e dos brindes o Sheik Rashid Al Sahade, primo do governante de Dubai, Mohammed bin Rashid Al Maktoum. O evento foi organizado pela IGGP General Trading (LLC), uma empresa que tem como objetivo de difundir o conceito da excelência dos Alimentos & Bebidas sem alcol.

"Alguém deve atè ter virado o nariz quando escutou falar desse espumante sem alcool - disse o comissário da Agricultura no Veneto Franco Manzato - ele fala que esse è um dos objetivos para abrir o caminho para as os mercados ricos, que ama a qualidade dos produtos, ele disse que se a Italia nao tivesse ocupado esse espaço, mais cedo ou mais tarde seria outro paìs a ocupa-lo, entao nada melhor do que começar com o paìs que tem tradição no cultivo de vinhedos".

Mas chegar no mercado de Dubai não é assim tao facil: a Alfandega dos Emirados, nao viu com bons olhos a chegada de todas aquelas garrafas de espumante, e nao esitou em prender a mercadoria, mesmo com todos os documentos que comprovava que a bebida nao havia álcool. O Sheik teve que intervenir para que a carga fosse liberada.

O novo espumante foi um sucesso total, e muitas empresas que fazem negócios com os Emirados Árabes já enviaram pedidos para "Isabella Ice", serà o espumante que vai acompanhar as discussões de seus negócios.

Quem teve a idea e realizou o produto, foi Isabella Spagnolo, proprietaria da empresa agricola agricola Iris Vigneti di Mareno di Piave.
Ela estar muito satisfeita porque o produto foi bem aceito.
Ela nao partecipou do evento, e disse: eu estava andando de bicicleta com minha família naquele momento. Porque a vida é simples, e bela na sua simplicidade ".

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Scaloppine com Marsala

Sexta-feira estar chegando. Que tal fazer uma receitinha italiana!
Se prepara em apenas 10 minutos + tempo para cozinhar.



Ingredientes para 4 pessoas


- 8 fatias de carne de vitelo

- 1 xícara de Marsala

- 250 g de creme de leite pasteurizado

- Farinha

- Manteiga

- Casca de laranja orgânica

- Sal, pimenta

- 4 batatas

- 1 raminho de alecrim

- Azeite virgem extra

PREPARACAO:


1) Passe a farinha nas fatias de carne.














2) Em uma frigideira, aqueça a manteiga, em seguida, doure as fatias dos dois lados.

3) Cozinhe-os em fogo moderado, virando-los. Tempere com

sal e pimenta.

4) Despeje o Marsala e deixe evaporar.






5) Adicione o creme de leite e cozinhe por 02/03 minutos.












6) Apos dourar as batatas cortadas em pedaços em óleo, tempere com sal e alecrim.











7) Sirva os filés com o molho, decore com casca de laranja, e acompanhe com as batatas

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Dicas e curiosidade:


Um toque mediterrânico ...

Para dar um toque de sabor a mais as scaloppine, adicione ao creme de leite, uma colher de chá de alcaparras, finamente picado.


Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

O que os italianos pensam da compra On-line de vinhos?

A tecnologia moderna tornou possível o desenvolvimento de outros método de compras de vinhos, ou seja, a compra on-line. Este sistema de vendas é particularmente popular no exterior, enquanto na Itália esse modo de comprar vinhos è visto com um pouco de "desconfiança.
A meu ver, dada a natureza impessoal do on-line, você deve comprar na rede somente quando há uma garantia comprovada de profissionalismo e quando os preços são vantajosos. Existe muitas vinícolas, e adegas que distribuem seus produtos através de seus próprios sites onde você pode fazer compras.

O melhor é comprar em sites oficiais dos fabricantes e das adegas, ao inves de efetuar a compra em sites de operadores com credibilidade e professionalismo desconhecido.

Embora ainda limitado o recurso à rede para as compras de vinhos pelos italianos, espero que esse sistema de vendas se desenvolva em modo gradual, constante e profissional. Eu mesma ainda nao provei a net para a compra de vinhos, qualquer dia faço uma prova!

Se voce costuma comprar vinhos on-line, deixe um comentario, relatando suas experiencias, e dando dicas para novos internautas na compra de vinhos na net. Obrigado.

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

80° FEIRA INTERNACIONAL DO TARTUFO BIANCO D'ALBA 2010

O evento começou dia 9 de outubro e vai até 14 de novembro 2010. Esse ano è o seu aniversario de 80 anos, uma data para ser lembrada e comemorada.
A feira, como de costume, ofre a oportunidade de explorar, em termos de turismo cultural a cidade de Alba, Langhe e Roero com toda a sua riqueza de comida, arte e tradições do vinho.
Esta edição oferece um rico programa de eventos que vão desde a inevitável degustação dos tartufos, vinhos e outros produtos que representam a regiao.

O Tartufo Bianco d'Alba è conhecido como o DIAMANTE DO PIEMONTE, e se encontra especificamente na area da Província de Asti.
 
O Tartufo è um fungo subterrâneos que nasce e cresce em particular nas proximidades das raízes das árvores e pode ser considerado um parasita. Vive em simbiose com a planta que o acomoda; sua cor, seu perfume e seu sabor dependem diretamente do tipo de árvore onde ele nasce e cresce.
É um fruto que não se pode cultivar, mas que aparece todos os anos como um presente da natureza.


A colheita é feita com ajuda de um cão farejador, treinado especialmente para encontrar tartufos.

 


O Tartufo branco de Alba, pertecente a variedade Tuber Magnatum Pico, é um dos melhores e cresce nas florestas do distrito de Alba no Langhe e Monferrato, perto de Asti. Dependendo da planta com a qual o tartufo cresce, esse assume características diferentes.


Il Tartufo Bianco d'Alba tem uma forma irregular e è de varios tamanhos, geralmente é bastante pequeno, mas alguns exemplares podem atingir e exceder as 400 gramas de peso.
O sabor e o aroma do tartufo bianco é intenso e persistente. Ao contrário do tartufo nero, o tartufo bianco não devem ser cozidos, para não alterar o sabor, mas se utiliza aos pratos prontos a serem servidos. Se come cru para dar sabor ao prato, vai bem com vinho tinto ou branco. Mas o vinho deve ter aroma intenso, sabor persistente, e pouca estrutura.

E' suficiente apenas algumas tiras de tartufo para dar perfume a qualquer prato; e é excelente quando harmonizado com um prato tradicionais do Piemonte, o talharim, ou com risotos, fondue e ovos fritos.

Voce sabia: Que o tartufo bianco do Piemonte estar na lista dos 10 alimentos mais caros do mundo. E jà foi vendido por 600 dólares ao quilo. E em dezembro de 2007 foi atingido um recorde com a venda de 1300 gramas de tartufo bianco por 330.000 dólares.

Estarei partecipando do evento, em breve muitas novidades para voces!

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

terça-feira, 19 de outubro de 2010

OS MELHORES VINHOS DE 2011: PREMIADOS PELO PRESTIGIOSO GUIA ITALIANO DUEMILAVINI

Mais um ano no topo da lista, estar o Piemonte com 91 rótulos premiados como excelente, a Toscana ficou em segundo lugar com 73 rótulos premiados. A Lombardia marca um grande salto com 27 rótulos, em 2010 erao apenas 14 rotulos premiados, seguido por Friuli Venezia Giulia que em 2011 foi premiada com 26 rotulos, Veneto e Sicília com 23, em seguida, Abruzzo e Marche com 18 vinhos excelentes. (Abruzzo nunca foi assim tao premiada como em 2011).

Essa é a décima segunda edição de Duemilavini. Mais de 20 mil vinhos foram degustados e descritos, cerca de 900 finalistas e 390 os premiados com os 5 Graappoli (cachos), a pontuação de excelência, para 339 empresas.

A apresentação nacional de Duemilavini 2011 está agendada para segunda - feira, 15 de novembro de 2010 na sede da editora Bibenda em Roma.

Segue a lista dos premiados com 5 GRAPPOLI 2011:

1° LUGAR PIEMONTE COM 91 ROTULOS PREMIADOS

Barbaresco 2007 Gaja

Barbaresco Bric Balin 2007 Moccagatta

Barbaresco Camp Gros Martinenga 2006 Tenute Cisa Asinari Marchesi di Gresy

Barbaresco Cottà 2007 Sottimano

Barbaresco Morassino 2007 Cascina Morassino

Barbaresco Ovello Vigna Loreto 2007 Albino Rocca

Barbaresco Pora Riserva 2005 Produttori del Barbaresco

Barbaresco Santo Stefano 2007 Castello di Neive

Barbaresco Santo Stefano 2007 Bruno Giacosa

Barbaresco Sorì Burdin 2007 Fontanabianca

Barbaresco Valeirano 2007 La Spinetta

Barbaresco Vanotu 2007 Pelissero

Barbera d'Alba Brichet 2009 Ca' Viola

Barbera d'Alba Gallina 2008 La Spinetta

Barbera d'Alba Vigna Carzello 2008 Edoardo Sobrino

Barbera d'Asti 2008 Luigi Spertino

Barbera d'Asti Bricco della Bigotta 2008 Braida Giacomo Bologna

Barbera d'Asti La Bogliona 2007 Scarpa

Barbera d'Asti Superiore Alfiera 2007 Marchesi Alfieri

Barbera d'Asti Superiore Mongovone 2008 Elio Perrone

Barbera del Monferrato Superiore Bricco Battista 2007 Accornero

Barolo Acclivi 2006 Burlotto

Barolo Bric del Fiasc 2006 Paolo Scavino

Barolo Bricat 2006 Manzone

Barolo Bricco Boschis Vigna San Giuseppe Riserva 2004 Cavallotto Tenuta Bricco Boschis

Barolo Bricco delle Viole 2006 G. D. Vajra

Barolo Bricco Rocche Bricco Rocche 2006 Ceretto

Barolo Bricco Rocche Brunate 2006 Ceretto

Barolo Brunate 2006 Vietti

Barolo Brunate 2006 Roberto Voerzio

Barolo Ca' Mia 2006 Brovia

Barolo Cannubi Boschis 2006 Sandrone

Barolo Cannubi San Lorenzo Ravera 2006 Rinaldi

Barolo Cascina Francia 2006 Conterno

Barolo Cerretta 2006 Ettore Germano

Barolo Ciabot Mentin Ginestra 2006 Domenico Clerico

Barolo Cicala 2006 Poderi Aldo Conterno

Barolo Conca 2006 Renato Ratti

Barolo Enrico VI 2006 Cordero di Montezemolo

Barolo Gattera 2006 Gianfranco Bovio

Barolo Ginestra Riserva 2004 Paolo Conterno

Barolo La Serra 2006 Giovanni Rosso

Barolo La Villa 2006 Seghesio

Barolo Le Coste 2006 Giacomo Grimaldi

Barolo Le Coste Mosconi 2006 Parusso

Barolo Le Rocche del Falletto Riserva 2004 Bruno Giacosa

Barolo Le Vigne 2006 Sandrone

Barolo Margheria 2006 Massolino

Barolo Monfortino Riserva 2002 Conterno

Barolo Monprivato Cà d'Morissio Riserva 2003 Giuseppe Mascarello

Barolo Monvigliero Riserva 2004 Castello di Verduno

Barolo Pajana 2006 Domenico Clerico

Barolo Prapò Riserva 2004 Schiavenza

Barolo Riserva 2004 Enzo Boglietti

Barolo Rocche 2006 Vietti

Barolo Rocche dell'Annunziata 2006 Mauro Veglio

Barolo Rocche dell'Annunziata Riserva 2004 Paolo Scavino

Barolo Rocche dell'Annunziata Torriglione 2006 Roberto Voerzio

Barolo Romirasco 2006 Poderi Aldo Conterno

Barolo Rüncot Riserva 2004 Elio Grasso

Barolo San Giovanni 2006 Gianfranco Alessandria

Barolo San Rocco 2006 Azelia

Barolo Sorì Ginestra 2006 Conterno Fantino

Barolo Vigna Cappella di S. Stefano 2006 Podere Rocche dei Manzoni

Barolo Vigna Rionda Riserva 2004 Massolino

Barolo Vignolo Riserva 2004 Cavallotto Tenuta Bricco Boschis

Barolo Voghera Brea Riserva 2004 Azelia

Boca 2006 Le Piane

Colli Tortonesi Timorasso Pitasso 2008 Claudio Mariotto

Colli Tortonesi Timorasso Sterpi 2008 Vigneti Massa

Dogliani Maioli 2008 Anna Maria Abbona

Dolcetto d'Alba Bricco Caramelli 2009 Fratelli Mossio

Dolcetto di Diano d'Alba Costa Fiore 2009 Claudio Alario

Dolcetto di Dogliani Briccolero 2009 Chionetti

Gattinara Riserva 2005 Travaglini

Gattinara Vigneto San Francesco 2006 Antoniolo

Ghemme Collis Breclemae 2004 Antichi Vigneti di Cantalupo

Langhe Nebbiolo Sorì Tildin 2007 Gaja

Langhe Nebbiolo Sperss 2006 Gaja

Lessona 2006 Proprietà Sperino

Lessona Omaggio a Quintino Sella 2005 Tenute Sella

Loazzolo Vendemmia Tardiva 2007 Borgo Maragliano

Nebbiolo d'Alba 2008 Hilberg-Pasquero

Nebbiolo d'Alba Vigna di Lino 2008 Cascina Val del Prete

Piemonte Moscato d'Autunno 2009 Saracco

Roero 2008 Gallino

Roero Bric Valdiana 2008 Giovanni Almondo

Roero Mompissano Riserva 2007 Cascina Ca' Rossa

Roero Ròche d'Ampséj Riserva 2006 Matteo Correggia

Soldati La Scolca Brut Millesimato d'Antan 1998 La Scolca

Valentino Brut Zero 2002 Podere Rocche dei Manzoni

2° LUGAR TOSCANA COM 73 ROTULOS PREMIADOS


50&50 2006 (Avignonesi) Capannelle

50&50 2006 (Capannelle) Avignonesi

Bolgheri Sassicaia Sassicaia 2007 Tenuta San Guido

Bolgheri Superiore 2007 Podere Guado Al Melo

Bolgheri Superiore Grattamacco Rosso 2007 Grattamacco

Brunello di Montalcino 2005 Biondi Santi

Brunello di Montalcino 2005 Fonterenza

Brunello di Montalcino 2005 Le Chiuse

Brunello di Montalcino Gli Angeli Riserva 2004 La Gerla

Brunello di Montalcino Piaggione Riserva 2004 Podere Salicutti

Brunello di Montalcino Pian di Conte Riserva 2004 Talenti

Brunello di Montalcino Poggio all'Oro Riserva 2004 Castello Banfi

Brunello di Montalcino Riserva 2004 Altesino

Brunello di Montalcino Riserva 2004 Biondi Santi

Brunello di Montalcino Riserva 2004 Gianni Brunelli Le Chiuse di Sotto

Brunello di Montalcino Riserva 2004 Capanna

Brunello di Montalcino Riserva 2004 Caprili

Brunello di Montalcino Riserva 2004 Case Basse Soldera

Brunello di Montalcino Riserva 2004 Costanti

Brunello di Montalcino Riserva 2004 Fattoria Poggio di Sotto

Brunello di Montalcino Riserva 2004 Le Potazzine

Brunello di Montalcino Riserva 2004 Marchesato degli Aleramici

Brunello di Montalcino Riserva 2004 Tenuta di Sesta

Brunello di Montalcino Ugolaia 2004 Lisini

Brunello di Montalcino Vigna delle Raunate Riserva 2004 Mocali

Brunello di Montalcino Vigna Paganelli Riserva 2004 Tenuta Il Poggione

Cabernet Franc 2007 Vignamaggio

Caiarossa 2007 Caiarossa

Camartina 2007 Querciabella

Campora 2006 Falchini

Carmignano Riserva 2007 Piaggia

Castello del Terriccio 2006 Castello del Terriccio

Castello di Vicarello 2006 Castello di Vicarello

Cepparello 2007 Isole e Olena

Chianti Classico Baron' Ugo Riserva 2006 Monteraponi

Chianti Classico Borro del Diavolo Riserva 2006 Ormanni

Chianti Classico Rancia Riserva 2007 Felsina

Coevo 2007 Cecchi

Cortona Syrah Il Bosco 2007 Tenimenti d'Alessandro

Filare 18 2008 Casadei

Flaccianello della Pieve 2007 Fontodi

Fontalloro 2007 Felsina

Galatrona 2008 Petrolo

Ghiaie della Furba 2006 Capezzana

Guidalberto 2008 Tenuta San Guido

I Sodi di San Niccolò 2006 Castellare di Castellina

Le Pergole Torte 2007 Montevertine

Lupicaia 2007 Castello del Terriccio

Mandrione 2008 La Corsa

Masseto 2007 Tenuta dell'Ornellaia

Messorio 2007 Le Macchiole

Montecalvi VV 2008 Montecalvi

Orcia Rosso Petrucci 2007 Podere Forte

Paleo Rosso 2007 Le Macchiole

Petra 2007 Petra

Redigaffi 2008 Tua Rita

Rosso di Montalcino 2008 Salvioni

Rosso di Montalcino 2008 Sesti

Rosso di Montalcino 2008 Stella di Campalto

Podere San Giuseppe

Saffredi 2007 Fattoria Le Pupille

Sammarco 2006 Castello dei Rampolla

San Lorenzo 2007 Sassotondo

Sesà 2007 Poggiofoco

Solaia 2007 Antinori

Solengo 2007 Argiano

Suisassi 2007 Duemani

Syrah 2008 Michele Satta

Syrah 2008 Tua Rita

Tignanello 2007 Antinori

Vin Santo del Chianti Classico 2002 Castello di Cacchiano

Vino Nobile di Montepulciano Asinone 2007 Poliziano

Vino Nobile di Montepulciano Grandi Annate Riserva 2006 Avignonesi

Vino Nobile di Montepulciano Quercetonda 2007 Le Casalte

White Label 2007 I Balzini


3° LUGAR LOMBARDIA COM 27 ROTULOS PREMIADOS

Curtefranca Chardonnay 2007 Ca' del Bosco

Franciacorta Brut 2005 Enrico Gatti

Franciacorta Brut Cabochon 2005 Monte Rossa

Franciacorta Brut Casa delle Colonne 2005 Fratelli Berlucchi

Franciacorta Brut Secolo Novo 2005 Le Marchesine

Franciacorta Brut Valentino Maiolini Cuvée 1999 2000 Majolini

Franciacorta Cuvée Annamaria Clementi 2003 Ca' del Bosco

Franciacorta Dosaggio Zero Francesco Iacono Riserva 2002 Villa Crespia - Fratelli Muratori

Franciacorta Extra Brut 2004 Ferghettina

Franciacorta Extra Brut Comarì del Salem 2005 Uberti

Franciacorta Extra Brut Extrême 2005 Palazzo Lana Berlucchi

Franciacorta Extra Brut Museum Release 2003 Ricci Curbastro

Franciacorta Extra Brut Vintage Riserva 2004 La Montina

Franciacorta Gran Cuvée Pas Operé 2004 Bellavista

Franciacorta Nature Bagnadore 2004 Barone Pizzini

Franciacorta Non Dosato Sublimis 2004 Uberti

Franciacorta Pas Dosé Questione di Etichetta Riserva 2004 Il Mosnel

Franciacorta Satèn Soul 2003 Contadi Castaldi

Moscato di Scanzo Doge 2007 La Brugherata

Oltrepò Pavese Barbera 2007 Castello di Cigognola

Sforzato di Valtellina Albareda 2008 Mamete Prevostini

Sfursat della Valtellina 2007 Aldo Rainoldi

Sfursat di Valtellina Cinque Stelle 2007 Nino Negri

Valtellina Superiore Prestigio 2006 Triacca

Valtellina Superiore Sassella Rocce Rosse Riserva 1999 Ar.Pe.Pe.

Valtellina Superiore Valgella Ca' Moréi 2007 Fay

Valtellina Superiore Valgella Carterìa 2007 Fay


ABRUZZO / 18 rotulos


Jarno Rosso 2006 Castorani

Montepulciano d'Abruzzo 2006 Valentini

Montepulciano d'Abruzzo Colline Teramane Neromoro Riserva 2006 Nicodemi

Montepulciano d'Abruzzo Colline Teramane Opi Riserva 2007 Farnese

Montepulciano d'Abruzzo Colline Teramane Zanna Riserva 2007 Dino Illuminati

Montepulciano d'Abruzzo I Vasari 2007 Barba

Montepulciano d'Abruzzo Mazzamurello 2007 Torre dei Beati

Montepulciano d'Abruzzo Nerodichiara 2006 Contado Veniglio

Montepulciano d'Abruzzo S. Martino Rosso Marina Cvetic 2007 Masciarelli

Montepulciano d'Abruzzo San Calisto 2007 Valle Reale

Montepulciano d'Abruzzo Spelt 2006 La Valentina

Montepulciano d'Abruzzo Tonì 2007 Cataldi Madonna

Montepulciano d'Abruzzo Zeus 2007 Gentile

Pecorino 2008 Cataldi Madonna

Trebbiano d'Abruzzo 2008 Pepe

Trebbiano d'Abruzzo 2008 Valentini

Trebbiano d'Abruzzo Castello di Semivicoli 2008 Masciarelli

Trebbiano d'Abruzzo Vigna di Capestrano 2008 Valle Reale



ALTO ADIGE / 12 rotulos


Alto Adige Bianco Beyond the Clouds 2008 Elena Walch

Alto Adige Cabernet Löwengang TL 2006 Alois Lageder

Alto Adige Cabernet Sauvignon Lafòa 2007 Schreckbichl Colterenzio

Alto Adige Gewürztraminer Kastelaz 2009 Elena Walch

Alto Adige Gewürztraminer Kolbenhof 2009 J. Hofstätter

Alto Adige Gewürztraminer Terminum Vendemmia Tardiva 2008 Tramin

Alto Adige Goldmuskateller Passito Serenade Castel Giovanelli 2007 Kellerei Kaltern Caldaro

Alto Adige Lagrein Abtei Muri Riserva 2007 Muri-Gries

Alto Adige Pinot Nero Barthenau Vigna S. Urbano 2007 J. Hofstätter

Alto Adige Pinot Nero Sanct Valentin 2007 St. Michael Eppan

Alto Adige Valle Isarco Riesling Praepositus 2008 Abbazia di Novacella

Amistar Edizione Rossa MII 2007 Peter Sölva & Söhne


BASILICATA / 4 rotulos


Aglianico del Vulture Carato Venusio 2007 Cantina di Venosa

Aglianico del Vulture Il Sigillo 2006 Cantine del Notaio

Aglianico del Vulture Serpara 2006 Terre degli Svevi

Aglianico del Vulture Titolo 2008 Fucci



CAMPANIA / 13 rotulos


Aglianico del Taburno Terra di Rivolta Riserva 2007 Fattoria La Rivolta

Costa d'Amalfi Furore Bianco Fiorduva 2009 Furore Marisa Cuomo

Falerno del Massico Rosso Etichetta Bronzo 2007 Masseria Felicia

Fiano di Avellino Pietramara Etichetta Bianca 2009 I Favati

Fiano di Avellino Vigna della Congregazione 2008 Villa Diamante

Greco di Tufo Vigna Cicogna 2009 Benito Ferrara

Montevetrano 2008 Montevetrano

Naima 2006 Viticoltori de Conciliis

Sabbie di Sopra Il Bosco 2008 Nanni Copè

Taurasi 2006 Feudi di San Gregorio

Taurasi Radici Riserva 2004 Mastroberardino

Terra di Lavoro 2008 Galardi

Vigna Piancastelli 2007 Terre del Principe


CALABRIA / 2 rotulos


Cirò Rosso Classico Ronco dei Quattroventi 2008 Fattoria San Francesco

Nerone di Calabria 2006 Criserà



EMILIA ROMAGNA / 8 rotulos


Albana di Romagna Passito Scacco Matto 2007 Fattoria Zerbina

Colli di Rimini Cabernet Montepirolo 2007 San Patrignano

Otello Nero di Lambrusco 2009 Ceci

Sangiovese di Romagna Superiore Avi Riserva 2007 San Patrignano

Sangiovese di Romagna Superiore Domus Caia Riserva 2007 Ferrucci

Sangiovese di Romagna Superiore Pruno Riserva 2007 Drei Donà Tenuta La Palazza

Sangiovese di Romagna Thea Riserva 2008 Tre Monti

Sangiovese di Romagna Vigna del Generale Riserva 2007 Casetto dei Mandorli



FRIULI VENEZIA GIULIA / 26 rotulos


Braide Alte 2008 Livon

Calabrone 2006 Bastianich

Colli Orientali del Friuli Bianco Anatema 2007 Ronco di Prepotto

Colli Orientali del Friuli Bianco Biancosesto 2009 La Tunella

Colli Orientali del Friuli Cialla Picolit 2008 Ronchi di Cialla

Colli Orientali del Friuli Picolit 2007 Livio Felluga

Colli Orientali del Friuli Rosazzo Bianco Terre Alte 2008 Livio Felluga

Colli Orientali del Friuli Rosazzo Rosso Ronco dei Roseti 2004 Le Vigne di Zamò

Colli Orientali del Friuli Sauvignon Zuc di Volpe 2009 Volpe Pasini

Colli Orientali del Friuli Verduzzo Friulano Passito Cràtis 2007 Scubla

Collio Bianco Broy 2009 Collavini

Collio Bianco Vigne 2009 Zuani

Collio Bianco Zuani 2008 Zuani

Collio Friulano Vigna del Rolat 2009 Dario Raccaro

Collio Merlot 2008 Dario Raccaro

Collio Pinot Grigio 2009 Colle Duga

Collio Pinot Grigio Mongris Riserva 2007 Marco Felluga

Collio Sauvignon de La Tour 2009 Villa Russiz

Collio Sauvignon Ronco delle Mele 2009 Venica

Collio Traminer Aromatico 2009 Venica

Friuli Isonzo Pinot Bianco 2009 Tenuta Luisa

Friuli Isonzo Rive Alte Pinot Grigio Sot Lis Rivis 2009 Ronco del Gelso

Friuli Isonzo Rive Alte Sauvignon Piere 2008 Vie di Romans

Friuli Isonzo Sauvignon Picol 2008 Lis Neris

Pignolo 2006 Dario Coos

Vintage Tunina 2008 Jermann


LAZIO / 7 rotulos


Cesanese del Piglio Superiore Romanico 2008 Coletti Conti

Cesanese del Piglio Superiore Torre del Piano Riserva 2008 Casale della Ioria

Cesanese di Affile Capozzano 2008 Formiconi

Frascati Superiore Luna Mater 2009 Fontana Candida

Il Vassallo 2008 Colle Picchioni

Mater Matuta 2007 Casale del Giglio

Muffo 2007 Sergio Mottura



LIGURIA / 4 rotulos


Colli di Luni Vermentino Boboli 2009 Giacomelli

Riviera Ligure di Ponente Pigato Bon in da Bon 2009 Bio Vio

Tonos 2008 Prima Terra

Vignamare 2006 Lupi

 
MARCHE / 18 rotulos


Anghelos 2008 De Angelis

Arkezia 2007 Fazi Battaglia

Conero Fibbio Riserva 2008 Lanari

Conero Visions of J. Riserva 2006 Fattoria Le Terrazze

Esino Rosso Pieralisi for Friends 2007 Monte Schiavo

Kurni 2008 Oasi degli Angeli

Maximo 2007 Umani Ronchi

Pathos 2008 Santa Barbara

Pius IX Mastai 2008 Il Pollenza

Rosso Piceno Superiore Roggio del Filare 2007 Velenosi

Solo 2008 Dezi

Verdicchio dei Castelli di Jesi Classico Superiore Balciana 2008 Sartarelli

Verdicchio dei Castelli di Jesi Classico Superiore Gaiospino 2007 Fattoria Coroncino

Verdicchio dei Castelli di Jesi Classico Superiore Podium 2008 Garofoli

Verdicchio dei Castelli di Jesi Classico Superiore San Michele 2008 Bonci

Verdicchio dei Castelli di jesi Passito Bambulé 2003 Fattoria Coroncino

Verdicchio dei Castelli di Jesi Passito Tordiruta 2007 Moncaro

Verdicchio di Matelica Mirum 20 Anni Riserva 2008 Fattoria La Monacesca


MOLISE / 1 rotulo


Molise Rosso Don Luigi Riserva 2008 Di Majo Norante


PUGLIA / 5 rotulos



Castel del Monte Aglianico Bocca di Lupo 2007 Tormaresca

Graticciaia 2006 Agricole Vallone

La Signora 2007 Morella

Primitivo di Manduria Es 2008 Gianfranco Fino

Taras 2008 Tenute Al Bano Carrisi


SICILIA / 23 rotulos


Chardonnay 2008 Planeta

Chardonnay 2008 Tasca d'Almerita

Cielo d'Alcamo 2008 Tenuta Rapitalà

Cometa 2009 Planeta

Diamante d'Almerita 2009 Tasca d'Almerita

Don Antonio 2008 Morgante

Duca Enrico 2007 Duca di Salaparuta

Etna Bianco Cuvée delle Vigne Niche 2008 Tenuta delle Terre Nere

Etna Bianco Superiore Legno di Conzo 2007 Barone di Villagrande

Etna Rosso 2007 Cottanera

Etna Rosso Outis 2007 Vini Biondi

Etna Rosso Prephylloxera La Vigna di Don Peppino 2008 Tenuta delle Terre Nere

Etna Rosso Quota 600 2008 Graci

Etna Rosso Serra della Contessa 2008 Benanti

Faro Palari 2008 Palari

Kaid Vendemmia Tardiva 2008 Alessandro di Camporeale

L'Ecrù 2008 Firriato

Malvasia delle Lipari 2009 Florio

Malvasia delle Lipari Passito Selezione Carlo Hauner 2007 Hauner

Marsala Superiore Donna Franca Riserva Florio

Noà 2008 Cusumano

Passito di Pantelleria 2008 Abraxas

Sole dei Padri 2007 Spadafora


SARDEGNA / 9 rotulos



Angialis 2007 Argiolas

Barrua 2007 Agricola Punica

Capichera 2008 Capichera

Carignano del Sulcis Is Arenas Riserva 2007 Sardus Pater

Carignano del Sulcis Superiore Terre Brune 2006 Cantina Santadi

Chimbanta & Battoro 2006 Dettori

Turriga 2006 Argiolas

Vermentino di Gallura Superiore Monteoro 2009 Sella & Mosca

Vernaccia di Oristano Antico Gregori Contini




TRENTINO / 10 rotulos 


Bastie Alte 2006 Maso Bastie

Essenzia Bianco 2007 Pojer e Sandri

Granato 2007 Foradori

Rosso Faye 2007 Pojer e Sandri

Trento Brut Altemasi Graal Riserva 2003 Cavit

Trento Brut Cuvée dell'Abate Riserva 2005 Abate Nero

Trento Brut Giulio Ferrari Riserva del Fondatore 2001 Ferrari

Trento Brut Methius Riserva 2004 Dorigati

Trento Brut Riserva 2004 Maso Martis

Trento Extra Brut Perlé Nero 2003 Ferrari


UMBRIA / 13 rotulos


1861 San Valentino 2008 Cirulli

Bacca Rossa Passito 2007 La Palazzola

Cervaro della Sala 2008 Castello della Sala

Montefalco Sagrantino Campo alla Cerqua 2006 Tabarrini

Montefalco Sagrantino Colleallodole 2007 Milziade Antano

Montiano 2008 Falesco

Muffato della Sala 2007 Castello della Sala

Orvieto Classico Superiore Campo del Guardiano 2007 Palazzone

Sagrantino di Montefalco 25 Anni 2007 Arnaldo Caprai

Sagrantino di Montefalco Chiusa di Pannone 2005 Antonelli San Marco

Sagrantino di Montefalco Collepiano 2007 Arnaldo Caprai

San Giorgio 2005 Lungarotti

Sangiovese Selezione del Fondatore 2005 Castello Delle Regine




VALLE D'AOSTA: 2 ROTULOS 


Vallée d'Aoste Chardonnay Cuvée Bois 2008 Les Cretes

Vallée d'Aoste Vuillermin 2008 Feudo di San Maurizio


VENETO / 23 rotulos


Amarone della Valpolicella Campo dei Gigli 2006 Tenuta Sant'Antonio

Amarone della Valpolicella Case Vecie 2006 Brigaldara

Amarone della Valpolicella Classico 2006 Allegrini

Amarone della Valpolicella Classico Casa dei Bepi 2005 Viviani

Amarone della Valpolicella Classico Monte Cà Bianca 2005 Begali

Amarone della Valpolicella Classico Pergole Vece 2006 Le Salette

Amarone della Valpolicella Classico TB Vigneto Alto 2005 Tommaso Bussola

Amarone della Valpolicella Classico Vigneto Monte Sant'Urbano 2006 Speri

Amarone della Valpolicella I Prognai 2003 Fratelli Giuliari

Amarone della Valpolicella Vigneto di Monte Lodoletta 2004 Romano Dal Forno

Capitel Foscarino 2009 Anselmi

Doro 2007 Masari

Fratta 2008 Maculan

I Capitelli 2008 Anselmi

La Poja 2006 Allegrini

Montello e Colli Asolani Il Rosso dell'Abazia 2007 Serafini & Vidotto

Recioto della Valpolicella Terre del Cereolo 2006 Trabucchi

Soave Classico La Rocca 2008 Pieropan

Soave Classico Superiore Foscarin Slavinus 2008 Monte Tondo

Valdobbiadene Prosecco Superiore di Cartizze 2009 Nino Franco

Valdobbiadene Superiore di Cartizze 2009 Bortolomiol

Valpolicella Superiore Vigneto di Monte Lodoletta 2005 Romano Dal Forno

Vulcaia Fumé 2008 Inama

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Sua adega è representativa? Veja como criar sua própria adega!

Não existem regras absolutas para a criaçao ideal de uma propria adega, porque não há nada mais pessoal do que a preferencia em comprar este ou aquele vinho. No entanto, é aconselhável seguir algumas indicaçoes. Os aspectos mais importantes são:
  • a representatividade,
  • a qualidade, 
  • a atualização 
  • a historicidade da seleção criada.

A adega é representativa quando estao presentes os vinhos:
  1. de todas as regiões italianas (referindo-me a quem mora na Italia, no caso do Brasil, a adega serà rapresentativa quando tiver os vinhos de todas os estados que os produzem),
  2. de todos os principais tipos de vinho nacional e, possivelmente, internacional.
Um bom nível de representação é conseguida através a seleção e compra, por exemplo, dos cinco vinhos mais representativos de cada região italiana (o brasileira). E assim, podemos atingir a centenas de garrafas.

Além disso, se deve manter uma distribuição objetiva e equilibrada entre as várias categorias de vinhos (branco, tinto, rosé, espumantes e doces): por exemplo, uma adega com uma centena de vinhos pode ser dividido em quinze espumantes, trinta brancos, cinco rosè, quarenta tintos e dez vinhos doce. A distribuição claramente depende das preferências pessoais para as diversas categorias.

A adega pode ser o lugar onde colecionar vinhos raros e preciosos, de safras importantes, mas tambèm pode ser o lugar onde armazenar os vinhos a serem consumidos em um curto períodos de tempo. Quem coleciona vinhos restringe o campo de compras aos rótulos de maior prestígio e das melhores safras, com a intençao de deixar o vinho na adega por muito tempo. Ao contrario, aqueles que preferem uma maior rotatividade da adega, vai optar por uma seleçao e compra de um número maior de diferentes tipos de vinhos.
 
Em uma adega de vinhos completa è presente, vinhos da coleçao, adequados a um longo envelhecimento, como tambèm garrafas de consumo imediato.
 
Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

domingo, 17 de outubro de 2010

Quais sao as melhores condições para a conservaçao do seu vinho?

Na adega o vinho repousa, vive, respira, evolui e envelhece. Uma adega adequada adiciona valor ao vinho. Há cinco fatores que devem ser otimizados para garantir ao vinho as melhores condições possíveis de conservaçao na adega.

Primeiro, a completa e total proteçao da luz: o vinho deve ser mantido no escuro porque a iluminaçao ativa acelera o processos de evolução e oxidação do vinho.

A temperatura é o segundo fator que determina o tempo de evolução e desenvolvimento do vinho engarrafado. A temperatura ideal da adega é entre 10 e 14 ° C, especialmente em torno aos 12 ° C. As altas temperaturas induzem à aceleração, desenvolvimento e envelhecimento do vinho, ao contrario, a temperatura mais baixa atrasa esses fenômenos. As mudanças de temperatura são de grande importância: é menos prejudicial uma temperatura da adega com alguns graus acima da temperatura ideal, ao inves de uma repentina variação. É importante, portanto, o isolamento térmico do ambiente, que é possível obter revestindo as paredes com painéis de isolamento.

Outro fator é a porcentagem de umidade do ar na adega. Uma adega muito úmida favorece a proliferação de mofo na parte externa da rolha e a erosão do rótulo do vinho (neste caso, um remédio eficaz é embrulhar o rotulo com uma pelicula transparentes de plástico, como aquela que utilizamos para embrulhar alimentos). Ao contrario, uma adega muito seca, determina um perecimento da rolha e mudanças mais rapidas na temperatura interna do vinho. As condições ótimas correspondem a uma percentagem de humidade no ar entre 60% e 75%. Úteis para este fim são ar-condicionado e desumidificadores.

A última coisa a considerar para otimizar a qualidade de preservação do vinho na adega é a vibraçao. Um vinho submetido a vibração durante o armazenamento, evolui mais rapidamente.

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

sábado, 16 de outubro de 2010

O Melhor sommelier do mundo è um italiano

LUCA GARDINI ganhou o título de "Melhor Sommelier do Mundo de 2010".

No esplêndido cenário do teatro Bellas Artes, em Santo Domingo, capital da República Dominicana, foi realizada a final do Concurso Mundial organizado pela Worldwide Sommelier Association.

Partiparam do concurso 14 profissionais experientes no cenário mundial,  a semifinal do dia 12 de outubro foi em El Catador ", a enoteca e wine bar de maior prestígio no Caribe.

A prova escrita de estrema dificuldade, uma degustação de vinhos e uma prova prática de serviço têm sido a fase de seleção que levou a final três sommeliers: Luca Gardini, Milan Krejèí e Héctor García, respectivamente representantes da Itália, República Checa e República Dominicana. Eles foram os únicos a animar a noite com um desafio espetacular diante de uma platéia internacional de especialistas e fãs.

Albânia, Argentina, República Checa, França, República Dominicana, Irlanda, Itália, Letónia, Países Baixos, Polónia, Eslovénia, Suíça e Reino Unido foram os países representados por muitos como sommeliers que trabalham em restaurantes, bares e hotéis mais renomados no cenario internacional.

Luca Gardini tem vinte e nove anos, e è sommelier do restaurante Cracco, em Milão.

O proximo título mundial é prevista daqui a dois anos em Londres. Será a capital britânica que vai sediar o proximo concurso para eleger o melhor sommelier do mundo do futuro.

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Piemonte

Quando se fala de Piemonte, a prima coisa que vem em mente è: região de grandes vinhos italianos.

Com 51.437 hectares de vinha e mais de 30.000 empresas: Estes dados confirmam, sem dúvida que a viticultura ocupa atualmente uma posição-chave no setor agrícola da região.
No Piemonte o cultivo da vinha é, principalmente, nas colinas (93%), e isso ja significa vinhos de grande qualidade.

Atè Luís XIV da França, o Rei Sol, quando provou os vinhos e queijos do Piemonte, afirmou que eram excelente.

Na regiao se coltivam mais vinhedos de uvas tintas, que cobrem 68% da terra de vinhas, entre os quais o Barbera, Dolcetto, Nebbiolo, Freisa, Brachetto e Grignolino, enquanto os vinhedos de uvas brancas cobrem 32% da produção, como moscato bianco, cortese, manzoni Bianco, Chardonnay e Arneis, alèm de diferentes variedades que sao coltivadas aqui a centenas de anos, como pelaverga, erbaluce, favorita e alguns malvasia.

A maioria dos vinhos do Piemonte, orgulha-se do DOCG (Denominaçao de Origem Contolada e Garantida) e DOC (Denominaçao de Origem Controlada), e muitos destes são obtidos a partir da uva Nebbiolo como Barolo e Barbaresco, Gattinara, Roero, Ghemme, Nebbiolo d'Alba, Bramaterra, Lessona, Boca, Carema, Fara e Sizzano, vinhos de grande prestigio e adequados para o envelhecimento. A uva Nebbiolo no Piemonte é o príncipe da enologia.

A tradição do vinho, especialmente no que diz respeito ao vinho tinto, se encontram principalmente na Langhe, Astigiano e Monferrato, com vinhas situadas nas colinas, uma garantia de qualidade e prestígio. O clima, a vinha, o terreno, e a inteligencia humana completam o trabalho, dando algo de especial e diferente a cada produto.


As áreas de maior interesse vitivinicolo são nove:
  1. as colinas de Novara e Vercelli: onde se encontra uma uva rara a Bonarda. Na mesma área, se produz outros vinhos tintos de prestigio e grande valor, como Lessona e Bramaterra.
  2. Canavese, juntamente com Carema, é uma área que margeia o Valle d'Aosta, e produz vinhos muito apreciados  e muito renomado como o Carema e Erbaluce de Caluso.
  3. colinas na área de Turim.
  4. Monferrato, que é dividido em três zonas: Asti é a área, que dà a maior contribuição ns produção de vinhos, o Alto Monferrato e o Casalese.
  5. as colinas de Langhe: é uma das zonas mais conhecidas de todo o contexto do país. O clima nessa zona é muito seco e contribui para a alta concentração de açúcares nos bagos, contribuindo a uma produçao de qualidade e prestígio. Os vinhedos presentes nesta área são dolcetto, freisa, arneis, favorita, chardonnay e moscato, mas quem domina é o Nebbiolo, na sub-variedade lampia, michet e rosè, dos quais se obtem os grandes Barolo e Barbaresco.

Outra variedade de uva importante na região é a barbera, a partir da qual se produz vinhos muito diferentes.

Nao è um caso, que o Piemonte no prestigioso guia Duemilavini de 2010, ficou em primeiro lugar como a melhor produção italiana com 73 rótulos considerados excelente.

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Nus

Diz a lenda que este vinho era conhecido na época romana e Pôncio Pilatos já o apreciava. Resultando principalmente de uma casta de uva local, é um vinho de boa harmonia. Nus è um vinho tinto DOC da Valle d'Aosta.

O vinho è produzido com pelo menos 70% de Vien Nus e Petit Rouge (incluindo 40% de Vien Nus), no máximo 30% de outras uvas tintas. Vien de Nus, è difuso apenas na Valle d'Aosta.

Este é um vinho que se presta a um envelhecimento de 2-3 anos, se armazenado em local adequado a uma temperatura constante de 10 ° -15 ° C, em garrafas armazenadas horizontalmente, e não expostas à luz.



Descriçao:

Cor: vermelho rubi com reflexos granada.
Perfume: delicadamente intenso com persistência discreta, é agradavelmente frutado e lembra frutas vermelhas.
Gosto: vinho seco, aveludado, elegante, com notas tânico.
Álcool: ° 11,5 -12,5 °.
Afinamento: 6 meses e na versao Superior 9 meses
Deve ser servido a 18 ° -20 ° C. Ideal abrir a garrafa algumas horas antes.

Um vinho que vai acompanhado com carne, salame e queijo Fontina.

Produtores:

La Crotta di Vegneron: A cooperativa foi fundada em 1980 com o objectivo de reforçar a área vitívinicola de Chambave e Nus.

Les Granges: As terras do produtor se estendem por 2,6 hectares permitindo a produção de 14.000 garrafas de diferentes variedades de vinhos, alguns de prestigio.

Lo Triolet di Marco Martin: A empresa traça suas origens a partir de uma paixão pela vinha e pela  produção de vinho.

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

terça-feira, 12 de outubro de 2010

O Melhor Sommelier da Italia de 2010 é Nicola Bonera

Nicola, 31 anos, è de Brescia na Lombardia, e é um sommelier de uma longa experiência, e preparação inquestionável, vencedor do Master Sangiovese em 2006 e Melhor Sommelier da Lombardia, com apenas 23 anos, em 2002. Nicola Bonera é o novo Melhor Sommelier da Itália 2010.

Como premio receberá um cheque de 7000 € e 6 magnums de Franciacorta. A final do concurso foi realizada em Perugia no 44° Congresso AIS (Associaçao Italiana de Sommeliers).

Nicola è palestrante e instrutor de grande habilidade e experiência, e cobre durante anos, um papel muito importante na AIS Lombardia.

Meus sinceros PARABENS por este prestígioso titolo.
 
Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

O concurso de Melhor Sommelier do Mundo 2010 serà em um paraíso terrestre

A Wordwide Sommelier Association em outubro vai à Santo Domingo, onde serà realizado o Concurso do Melhor Sommelier do Mundo 2010. Após a final de Roma, há dois anos atras, é a República Dominicana que vai sediar os professionais mais experientes do planeta, o qual receberà o título mundial.

A final è quarta-feira 13 de outubro, e serà aberto ao público. Terá acesso a final três sommeliers que tenham obtido a melhor pontuação do dia anterior, que serà realizada come segue: um questionario teórico, uma degustação às cegas, com descrições técnicas e características organolépticas de dois vinhos selecionados pela Comissao Técnica, um teste de harmonizaçao de comida e vinho, e um teste prático de serviço. Toda essa fase irá selecionar os três finalistas.

O exame final será realizado em duas partes:

1) Degustação e correçao de uma carta de vinhos

- Analise organolépticas de cinco produtos e sua apresentação ao público.

- Correção da carta de vinhos. Os candidatos irão destacar os erros encontrados na carta de vinhos, que chamou a sua atenção.

2) Prova de serviço

a) Serviço de um aperitivo
b) Harmonizaçao comida e vinho. A cada candidato será atribuída uma tabela com, pelo menos, dois jantares, o serviço será realizado no idioma que foi escolhido anteriormente. O candidato deve informar os vinhos mais adequados para o cardápio de cozinha internacional (que será apresentado pelo chef cinco minutos antes do teste), justificando a sua escolha. O cardápio para este teste será determinado pela comissão técnica e escrita em Inglês e Francês.

c) Prova di conversaçao. O candidato poderá ser chamado a responder corretamente às solicitações dos hóspedes.

d) Prova de decantaçao. Durante esta prova, o júri terá de avaliar a apresentação e o estilo do finalista (expressão, descrição, competências, serviço, etc), de acordo com os critérios internacionais aprovados pela comissão técnica.

O italiano Luca Gardini, Melhor Sommelier da Europa de 2009 e Melhor Sommelier da Italia em 2004, agora vai tentar subir o degrau mais alto do pódio. Originalmente de Ravenna, tornou-se um sommelier profissional com  poucos mais de vinte anos de idade. Entre as suas experiência profissionais estar o de Chef  sommelier na Enoteca Pinchiorri, a famosa três estrelas Michelin, no centro histórico de Florença. Atualmente ocupa o mesmo cargo no Restaurante Cracco, em Milao.

Eu desejo uma imensa BOA SORTE,  a todos os partecipantes deste importante concurso.

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Diga-me o que você bebe e lhe direi quem é!

O que tem a ver uma taça de vinho com o nosso caráter?

Um grupo de cientistas australianos, afirmou que tem muito a ver.
A escolha de um vinho tinto, branco ou doce encorpado revela muito mais "do que pensamos da nossa personalidade". O estudo realizado na Universidade Charles Sturt analisou 45 homens e mulheres, entre 40 e 45, que foram convidados a escolher entre um vinho seco e um doce espanhol. Depois, os dois grupos responderam a um questionário, e um teste psicológico que ajudaram a moldar a personalidade "dos participantes.
''Nosso objetivo era explorar uma nova área de pesquisa para compreender como traços de personalidade são capazes de influenciar as preferências do paladar'', disse o principal pesquisador Anthony Saliba.
Bem, o estudo descobriu que aqueles que preferem um vinho branco doce tem um alto nível de impulsividade e uma tendência reduzida a se abrir para outras pessoas e situações novas em relação a quem prefere um vinho branco seco.
O estudo, publicado na revista "Food Quality and Preference'', também lança uma nova luz sobre a obesidade'', disse Saliba. ''As pessoas que mostram uma forte preferência por vinhos doces, também são as que apresentam maior impulsividade e representam um grupo mais em risco.'' Segundo os cientistas, a pesquisa também sugere que os neurotransmissores do cérebro que desempenham um papel importante no tratamento da dependência de drogas pode ter algo a ver com a preferência por alimentos doces.

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

O vinho branco da neve

Blanc de Morgex et de La Salle è o vinho branco mais nobre da Valle d'Aosta, também conhecido como "vin des Neiges", o vinho da neve.

É um excelente vinho, muito apreciado pelos conhecedores mais finos.

Os vinhedos onde se obtem o Blanc de Morgex et de La Salle è o mais alto da Europa, cultivada em 1100-1300 metros, em uma bacia natural protegido do vento frio do norte ao longo da estrada para o Mont Blanc. A força e a singularidade da uva Blanc de Morgex são devido a sua resistência a temperaturas baixas e neve. Não é raro, na verdade, que no momento da colheita das uvas da cor verde brilhante são cobertas com neve e gelo. 
 
Os produtores deste excelente vinho sao ao todo 95, reunidos na "Cave du Vin Blanc de Morgex, fundada em 1983 foi premiado pela Gotha del gusto (prestigiosa associaçao enogastronomica europea), como o mais importante dos  vinhos da Valle d'Aosta.

Blanc de Morgex et de La Salle:

Classificazione: DOC (Denominação de Origem Controlada)
Cor: amarelo palha com verde
A área de produção inclui os municípios de Morgex e La Salle. Os vinhedos estão perto do Mont Blanc, que os protege dos ventos frios do norte.
O conteúdo mínimo de álcool: 9%
Uvas utilizadas: Priè blanc em pureza: Tambèm vem produzido na versao Espumante e Vino Ice da colheita tardia.
É um vinho para ser bebido jovem. Ideal como aperitivo. Mas, para apreciar plenamente o seu sabor, o conselho é escolher um menu com nhoque de fontina, prato de peixe com legumes, queijos delicado, ou pratos servido com molhos à base branca de vegetais tais como alcachofras. Na versao "ice" (colheita tardia) um bom acompanhamento è com queijos saborosos.
Aroma de ervas da montanha. O gosto é seco, levemente picante.
Temperatura de serviço: 8° a 10°

Autora: Micheline Bavutti
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Petit Rouge

Petit Rouge é uma uva autóctone da região do Valle d'Aosta, que fica no Norte da Itália, essa uva é usada na produção de alguns vinhos tintos. Atualmente è a mais cultivada na area de Saint-Vicent e de Arvier.
Seus vinhedos são cultivados nas encostas das montanhas do vale, em altitudes que chegam a 750 m acima do nível do mar. Devido às características do area, sua produção é muito pequena.

Se tem notícia da uva Petit Rouge já no século XIX,  a qual era coltivada em guase todos os municípios da Valle, com exclusão da Morgex e La Salle.

O vinho conhecido como Petit Rouge é produzido com 85% de uvas da Petit Rouge. O vinho chamado Torrette e Torrette Superior é obtida com 70% de Petit Rouge e 30% de uvas provenientes de outras uvas tintas. O vinho tinto Chambave ainda é produzido com 70% de uvas Perit Rouge.

O vinho Torrette é vinho tinto mais importante e de melhor qualidade do Valle d'Aosta, em relação à quantidade e à maior área de produção da DOC Valle d'Aosta, afetando até 11 municípios. Este vinho, feito de uva Petit Rouge, envelhecido em peuqenas barricas de carvalho francês, permiti a maturação dos taninos, com toques de especiarias e baunilha (Torrette Superior).
Aymavilles è famosa pelo vinho tinto Torrette.

Características:

Vinho tinto de cor vermelha rubi tendendo ao granada com o envelhecimento. Aroma intenso de rosas selvagens  e violeta, embora tende a amadurecer amêndoas.
O sabor é seco, aveludado e ligeiramente tânico. Vinho em evolução, com expressão máxima após dois anos da colheita.
Teor alcoólico (12-13%)
Sirva em temperatura ambiente, cerca de 18 ° -20 ° C. Sugiro abrir a garrafa com antecedência.
A Taça: use a taça para vinhos tintos encorpados e maduros.
Geralmente, pode ser consumido em até oito anos da safra.

Esse vinho vai bem com carnes, sopas, e é adequado para qualquer refeição. E' um vinho muito utilizado na culinária local. 

Produtores: Anselmet, Cave des Onze Communes, Di Barrò, Gerbelle, Institut Agricole Régional, Vinirari.

Voce sabia:  da mesma uva  se produz a grappa mais típica do Vale d'Aosta.

Fotos:  

Vinhedos de Petit Rouge 






















Rotulo de Torrette

Autora: Micheline Bavutti                                                                                                                           
Contato: italiain1bicchiere@hotmail.com